Home - Conteúdo & SEO - Os 3 melhores formatos de conteúdo para SEO
Voltar para os posts

Os 3 melhores formatos de conteúdo para SEO

As estratégias certas para um site performar no ranking de buscas do Google

Rodrigo Goldacker
Os 3 melhores formatos de conteúdo para SEO

Quem aproveita todos os formatos pode construir estratégias de posicionamento orgânico no Google com resultados a curto, médio e longo prazo.

Não é fácil aparecer no topo dos resultados no Google. Na maior parte das vezes, conquistar um bom posicionamento nas pesquisas é o resultado de um trabalho constante e otimizado. 

Ao lançar um novo portal, pensamos em meses de produção de conteúdo recorrente e relevante até começar a construir um posicionamento e começar a ganhar mais espaço. 

Mas e se não precisasse ser assim? 

Uma estratégia inteligente de SEO que explode diferentes formatos de conteúdo consegue resolver as principais dores de quem quer estar bem posicionado – inclusive com resultados mais imediatos que aparecem em só alguns dias.

É por isso que hoje vamos falar sobre os três melhores formatos de conteúdo para SEO, explicando ainda qual é o uso de cada um – e como é importante pensá-los em conjunto.

1. Conteúdos textuais: os famosos posts de blog

O mais importante para qualquer estratégia de SEO ainda são os conteúdos de texto – como este aqui que você está lendo agorinha. 

Investir neles é o começo de qualquer estratégia de SEO porque uma boa quantidade de conteúdos relevantes e bem posicionados, considerando as palavras-chaves corretas, começa a longo prazo a construir a autoridade do seu portal.

“Os conteúdos de blog são a base evergreen da estratégia. Uma ação de blog precisa ser fortemente focada nessa produção de conteúdo, trabalhando a partir de um tema específico que comece com um estudo de palavra-chave”, explica o head de SEO e Conteúdo Digital aqui da PYXYS, Willian Alves.

No começo, esses são os conteúdos mais difíceis de emplacar – afinal, um portal que está nos seus primeiros dias ainda não conquistou relevância frente aos seus competidores mais consolidados. Mas quando consegue emplacar, a base de conteúdos textuais será uma fonte frequente de novos acessos – sendo a passagem para que novos possíveis leitores alcancem seu portal a partir de um interesse em algum conteúdo específico abordado em algum post.

E por esse motivo o estudo de palavras-chaves é tão importante. É a partir dele que se entende a intenção de busca dos usuários e se sabe quais os caminhos a explorar em seus conteúdos. É a inteligência de SEO guiando conteúdo para os resultados.

Mas os conteúdos textuais têm pelo menos duas limitações. Para começar, não é sempre que estamos com paciência para ler. Além disso,  no começo é difícil se posicionar bem com base neles: os textos são o famoso “trabalho de formiguinha”, feitos de pouco em pouco, dia após dia, até que começam a ter um potencial orgânico e impactam usuários que buscam no Google.

Mas os próximos formatos resolvem os dois problemas, trazendo maneiras mais acessíveis de consumir informações – além de resultados mais rápidos.

2. Vídeos, uma alternativa nos resultados de busca

Por muito tempo, o Google não priorizou os vídeos em suas ferramentas de busca: se você quisesse encontrá-los, na maioria das vezes teria que procurar pelo Youtube. Mas essa estratégia mudou – de um tempo pra cá, vídeos e textos estão todos juntos, competindo no mesmo rankeamento nos resultados de pesquisa.

“A mudança tem dado cada vez mais força para os vídeos; o foco em experiência do usuário deu foco para essa alternativa fez com que textos e vídeos estivessem presentes nos resultados do Google”, Will explica.

Em comparação com os textos, os vídeos têm funcionado como uma alternativa mais dinâmica para um consumo mais rápido de informações. Mas o engajamento varia: há certos tutoriais, por exemplo, que fazem mais sentido consumir por vídeos para facilitar o entendimento, mas existem também casos em que o texto funciona melhor para explicações minuciosas. E do mesmo jeito que às vezes não temos paciência para ler, podemos também não ter a vontade de parar tudo para vermos um vídeo se estamos em um lugar movimentado, ou ouvindo música, por exemplo…

Textos e vídeos em conjunto constroem um bom ecossistema. A PYXYS investiu nessa estratégia conjunta em nossa parceria com a AdTech de makerting de influência  INFLR, por exemplo, no portal Inflr Hub que alia editorias de conteúdo de texto ao projeto Best Stories, com vídeos entrevistando influencers famosos, como Claudia Leitte e Caito Maia. Mas as mesmas regras dos textos valem para os videos, no que diz respeito à paciência com resultados de médio e longo prazo.

É por isso que temos um último formato a comentar.

3. Web stories: resultados rápidos e formato acessível

Os web stories têm muitas particularidades e vantagens. Para começar, eles funcionam como um ótimo meio-termo entre os pŕos de textos e vídeos: são mais rápidos de consumir do que um texto completo, mas também não obrigam ninguém a parar para ouvir nada como um vídeo faria. 

São uma alternativa rápida de consumo de informação aliando imagens e textos muito curtos, tudo isso numa experiẽncia de usuário que já estamos acostumadíssimos a consumir graças às redes sociais (especialmente via stories do Instagram).

Um exemplo de web stories que a PYXYS produziu para o Estadão.

Além disso, eles não são encontrados pelos mecanismos tradicionais: aqui não estamos falando de SEO para resultados de buscas, mas para as sugestões que o algoritmo do Google entrega na seção Discover do aplicativo de usuários.

Se isso poderia parecer uma limitação, na verdade se trata da maior força dos web stories. “Quando falamos em SEO, costumamos pensar em resultados a partir de seis, doze meses. Mas os web stories são o oposto, com um retorno muito mais rápido e picos de acesso durante os primeiros três dias após a indexação”, Will comenta. 

Como exemplo, Will menciona um case que desenvolvemos aqui na PYXYS: “No caso do Estadão Imóveis, nossas matérias em texto trazem ótimos resultados na busca orgânica, mas os web stories bem-sucedidos alcançam números ainda melhores; eles podem durar menos tempo nos resultados do Google Discover, mas trazem o melhor retorno nos primeiros dias após a indexação”.

No final das contas, o melhor formato de conteúdo depende muito de qual é a estratégia e do que se espera como resultados: se a ideia é alcançar o maior número de pessoas no menor tempo, web stories podem ser a opção. 

Agora, se a ideia é construir uma base perene de novos acessos, textos e vídeos podem ser mais indicados. E, claro, sua escolha não invalida um nem outro, todos podem tranquilamente trabalhar todos esses formatos de conteúdo e gerar ótimos resultados através disso.

“Com uma estratégia diversificada de formatos aliada a conteúdos relevantes, conquistamos resultados de longo prazo com textos e vídeos, além de resultados mais imediatos investindo em web stories”, finaliza Will. É por isso que na hora de escolher entre os três formatos de conteúdo para SEO, talvez a melhor resposta seja usar os três na sua estratégia de impacto orgânico.

E aí, ficou interessado?

Quer saber mais sobre hacking growth , descobrir como transformar sua empresa em uma scale-up e ficar por dentro das últimas tendências de marketing, tecnologia e inovação? Então leia mais no blog da PYXYS!